,
|

MOLDPLÁS: Excelentes resultados garantem a próxima edição em 2019

Foram quatro dias em que a excelência e inovação do setor dos moldes e plásticos estiveram em evidência no Centro de Exposições da Batalha, onde acorreram mais de 25 mil visitantes, entre empresários e profissionais do setor. A décima edição da MOLDPLÁS - Salão de Máquinas, Equipamentos, Matérias-primas e Tecnologia para Moldes e Plásticos, que encerrou no sábado, dia 11, foi um grande êxito, quer pelo nº de visitantes, quer pelos contactos e negócios efectuados.

 

Um pouco por toda a feira, era visível a satisfação dos cerca de 200 expositores face à grande afluência de profissionais que acorreram ao certame. Para além da quantidade e do interesse de quem visitou, as empresas expositoras salientaram a qualidade do certame, que reunia uma panóplia muito representativa dos principais setores-chave no que toca a fornecedores do setor dos moldes e plásticos. Pelos três pavilhões, respirou-se tecnologia e soluções inovadoras, desde a impressão 3D, aos novos processos de fabrico e ferramentas que agilizam a produção numa ótica de futuro e a pensar na Indústria 4.0.

 

"Esta é uma feira muito bem organizada: quem vem a um certame destes não quer andar perdido no meio de pavilhões à procura daquilo que lhe interessa porque hoje em dia, aquilo que mais falta faz aos empresários em geral  e aos investidores, é o tempo. Por isso, as pessoas vêm para, no mais curto espaço de tempo, verem o maior número de coisas que lhes interessam e esta feira consegue-o", considerou Carlos Vilas Boas, responsável da empresa Haas, o maior construtor de máquinas-ferramenta nos Estados Unidos. Resumiu o que foi a opinião da maioria dos expositores presentes - cerca de 95% afirmou-se muito satisfeita com a presença na feira -, que salientaram, ainda, a localização geográfica como um outro fator de sucesso do certame. Realizada no centro do país, bem próximo de um dos principais polos da indústria de moldes e plásticos mas a curta distância de polos industriais importantes, quer a sul (Lisboa ou Setúbal), quer no norte do país (Águeda, Aveiro, Braga ou Porto), a MOLDPLÁS conseguiu atrair muitos profissionais do setor que contactaram de forma mais direta com os seus principais fornecedores.

Mas não só. A feira atraiu muitos visitantes estrangeiros, de países como a Argélia, Angola, França, Espanha ou Marrocos.

 

Alguns dos expositores salientaram, até, o lado mais emotivo patente no certame. "É uma feira diferente de outras porque, aqui, recebemos os clientes como se estivéssemos em nossa casa", explicou Rui Rocha, gerente da Eurocumsa. E isso foi visível em muitos dos stands onde os visitantes foram recebidos em autêntico ambiente familiar.

A organização, a cargo da Exposalão, está naturalmente satisfeita com o sucesso da feira, estando já a projetar a próxima edição que, apesar de manter o figurino atual, promete algumas novidades para agradar ainda mais aos expositores e visitantes e atrair mais presenças ao certame. De salientar que mais de 90% dos que participaram nesta edição manifestaram, já, a sua disponibilidade para marcar presença na próxima, agendada para 2019.   

 

 

 A MOLDPLÁS - Salão de Máquinas, Equipamentos, Matérias-primas e Tecnologia para Moldes e Plásticos, que se realiza de dois em dois anos, esgotou, nesta edição, a sua área de exposições, reunindo mais de duas centenas de expositores.  

A feira dividiu-se em duas categorias:

- máquinas, equipamentos, acessórios e tecnologia para a indústria dos moldes: máquinas-ferramenta, CNC, máquinas fresadoras, ferramentas de corte, componentes, canais quentes, acessórios normalizados e especiais, torneamento, retificação, material de polimento, soluções técnicas para extração e refrigeração, software de gestão e produção de moldes plásticos, impressora 3D, metrologia, hidráulica e pneumática, equipamentos e tecnologia laser, corte, gravação e soldadura, lubrificantes e outros.

- máquinas e equipamentos para a indústria de plásticos: máquinas de injeção e periféricos, robótica, sistemas de transporte de matéria prima, sistemas de refrigeração, bombas de vácuo, doseadores e misturadores, controladores de temperatura dos moldes, controladores de temperatura dos canais quentes, granuladores, sistemas de esvaziamento, misturadores, sistemas de monitorização e controlo de produção, matérias primas plásticas, Chillers e outros.

 

Para além da área de exposição, acolheu seminários e colóquios que foram autênticos espaços de reflexão de alguns dos principais temas que são, atualmente, prioritários para o setor.

Decorreram, ainda, visitas de alunos de várias escolas nacionais, que se mostraram muito impressionados com a tecnologia deste setor.

 

Organizada pela Exposalão, a MOLDPLÁS contou com o apoio da Associação Nacional da Indústria de Moldes (CEFAMOL), da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP) e da Associação Nacional das Empresas Metalúrgicas e Electromecânicas (ANEMM), bem como dos centros tecnológicos e científicos CENTIMFE e CENFIM. Marcará presença ainda a Pool-net, associação responsável pela dinamização do cluster de competitividade 'Engineering & Tooling'.

 

Duas décadas de História

A MOLDPLÁS nasceu em 1994, com a perceção, pela Exposalão, da importância do setor dos moldes e plásticos. Neste contexto, em 1996, foi criada uma feira dedicada única e exclusivamente ao sector dos moldes e plásticos, com o objetivo inicial de reunir os fabricantes de moldes e atrair visitantes internacionais.

No entanto, o elevado grau de internacionalização que o setor já apresentava, com a maioria das empresas a participar nas mais prestigiadas feiras internacionais, levou a que a estratégia fosse alterada e a MOLDPLÁS direcionou-se para as empresas que forneciam e equipavam a indústria nacional. Tinha, como hoje, duas vertentes: por um lado as máquinas, equipamentos para a fabricação de moldes, e, por outro, as máquinas e equipamentos para a injeção de plástico.

Foi, desde sempre, um reflexo do setor, sendo que a sua dimensão correspondia ao crescimento ou recessão da indústria em Portugal.

Começou por realizar-se de três em três anos, tendo sempre presente a calendarização das grandes feiras internacionais, sobretudo na Alemanha, tais como a EMO, a FAKUMA, EUROMOLD e K.

Em 2014, como resultado da crescente notoriedade dos fabricantes de moldes junto das grandes marcas das indústrias automóvel e aeronáutica, o que incrementou em muito as encomendas e por conseguinte a necessidade de aumentar a capacidade de produção, a MOLDPLÁS ganhou uma nova dimensão. Nesse ano, perspetivando o crescimento do setor, a feira foi calendarizada para 2015, passando a realizar-se de dois em dois anos, de forma a alternar com a Exposição Internacional de Máquinas-Ferramenta e Acessórios (EMAF), organizada pela Exponor. Essa edição, atingiu números recordes, quer ao nível dos expositores, quer ao nível dos visitantes.

 

Direções para Exposalão

Image